Quito, Equador, Fevereiro de 2014.

Colaboram neste projeto Luciana Bedini e Vania Caro Melo.


Mito en Construction
 

 

Por séculos os mitos tem servido para dar ao homem explicações que vão desde o surgimento dele mesmo, do planeta e eventos naturais. Atualmente, a ciência se arvora neste papel, mas a construção de mitos não ficou no passado. A todo momento a mídia, o mercado, a política e a religião criam novos mitos com intensões bem definidas; seja pra vender, moldar comportamentos ou mesmo como instrumento de poder. Compreender a sociedade por este viés nos faz pensar que, em verdade, a sociedade pode funciona tal qual um grande sistema de computador (vide o filme Matrix) em que as verdades são programadas e reprogramadas com intensões mais ou menos claras por aqueles que detém os meios para tal.

 

Entendendo este sistema de verdades construídas, me coloquei no desafio de criar um vírus neste sistema, raqueá-lo com intuito de mostrar como é possível construir um mito usando os regimes de verdade com os quais a fotografia pode operar.

 

Estudando sobre as figuras míticas e os fatos folclóricos que rodam a cidade, chegamos em relatos sobre mulheres mal assombradas que rodam as noites, ou mesmo de viúvas necrófilas, bem como de aparições de diversas santas. Chegamos então em uma figura que mistura o véu branco de uma santa com as vestes negras de uma viúva.

 

 

 

Com o figurino confeccionado por Vania Caro Melo e a performance de Luciana Bedini, o mito ganhou as ruas e vida própria em um percurso criativo que envolveu quatro ações principais:

I – Performance;

A performer caminhou primeiramente pelos cômodos da residência onde ficamos alojados e posteriormente saiu as ruas sem dar uma palavra, apenas interagindo com olhares e gestos marcantes de sua personagem.

II- Aparições

Projeções noturnas realizadas com projetor artesanal de papelão para simbolizar aparições da entidade nos espaços públicos.

III- Publicidade

a)  Distribuição de peças gráficas com a estética e o formato de corrente, como os santinhos distribuídos por crentes da Igreja Católica

b) O regime de crença perpassa diretamente pelo meio onde circula a imagem, o meio é também mensagem, como diria Marshall Mcluhan. A legitimação de um novo mito perpassa pela mídia, a maior responsável pela validação dos mesmos; sejam celebridades, políticos, santos ou mesmo aparições.

No momento de enviar a imagem para o jornal, como um suposto leitor amedrontado com a estranha imagem que aparecia na parede da Basílica do voto nacional de Quito, me preocupei em baixar a qualidade da imagem, adicionar ruído e data no corpo da imagem para que a mesma ficasse realmente parecendo ter sido feita por um amador.

Uma semana depois de enviar a imagem, recebo a notícia de que, de fato a imagem foi publicada no Extra, um dos jornais de maior circulação da cidade.